Cozinheiro imperial ou nova arte do cozimento e do copeiro em todos os seus ramos. R. C. M..

Autor: R. C. M.

Título: Cozinheiro imperial ou nova arte do cozimento e do copeiro em todos os seus ramos

Local de Publicação: Rio de Janeiro : Eduardo e Henrique Laemmert

Ano de Publicação: 1843

Descrição Física: 291 p.

Idioma: Português

Descrição: Abaixo do título: contendo as mais modernas e esquisitas receitas para com perfeição e delicadeza se prepararem diferentes sôpas e variadissimos manjares de carne de vaca, vitela, carneiro, porco e veado; de aves, peixes, marisco, legumes, ovos, leite; o modo de fazer massas, doces e compotas, precedido do Methodo para trinchar e servir bem a mesa. Com uma estampa explicativa e seguida de um Diccionario dos termos technicos de cozinha por R.C.M. Chefe de Cozinha.

Resumo: O COZINHEIRO IMPERIAL OU A NOVA ARTE DA COZINHA foi publicado pela primeira vez nos anos 1840 pela Livraria Universal de Eduardo e Henrique Laemmert. O livro foi um sucesso editorial, tanto que, no pequeno mercado brasileiro do século XIX, em cerca de 20 anos, teve 10 edições. Temos na Brasiliana USP duas delas: a segunda, de 1843, e a décima, de 1887. O autor não assina o livro e coloca apenas suas iniciais, R.C.M., nas páginas iniciais. Em 1887, o livro foi complementado por uma emenda modernizada de Constança Oliva de Lima. Na época, não era exatamente de bom tom um homem aventurar-se pelo mundo das panelas e caçarolas. É provavelmente por tal razão que o livro deve ter permanecido anônimo. Mas R.C.M. não era apenas um gourmet de quitutes especiais, mas também um gourmet de livros. Isso mesmo. O livro O cozinheiro imperial é uma compilação praticamente completa dos dois outros livros portugueses clássicos de cozinha, a Arte de Cozinha, de Domingos Rodrigues, publicado em 1680, e o Cozinheiro Moderno ou a Nova arte de cozinha, de Lucas Rigaud, cozinheiro de D. Maria I, editado um século depois.O mais interessante, no caso deste livro, é pensarmos nas razões de se editar um volume no Brasil com o título cozinheiro imperial”. Nação jovem, com apenas cerca de 20 anos de idade, e com um monarca ainda em formação, o Brasil dos anos 1840 precisava afirmar-se como império. Nada melhor do que tomar "emprestado" maneiras e modos das cortes européias, ou melhor, de Portugal, para a corte de uma jovem nação. Seríamos, desta maneira, na visão de R.C.M., mais comprometidos com o projeto de um império se nos comportássemos exatamente como um; como aquele que nos deu origem, ou seja, Portugal. Por esta razão estão elencadas as receitas com produtos que não se encontravam no Brasil da época, como alcaparras ou couves-de-bruxelas. O consumo exótico destes produtos nos validaria como um "império" ou como uma corte que sabia "como se comportar" no complexo jogo das nações.

Possui versão: 1918/00442400

Direitos: Domínio público

Edição: 2. ed. correcta e augmentada e consideravelmente melhorada

Assunto:
Culinária - Séc. XIX

URI: http://www.brasiliana.usp.br/handle/1918/03907900

Tipo: Livro

Livro
Modos de visualização:
Navegação:
Ir à página:
       

Corisco A Plataforma Corisco foi desenvolvida pelo projeto "Por uma Biblioteca Brasiliana Digital" (Fapesp, 2008-2010).

PRCEU USP FAPESP BNDES